Foto: Cristina Seciuk

Do lado de fora da Superintendência da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, em Curitiba, a expectativa de quem permanece em vigília ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lá dentro, o impasse. A decisão do desembargador Rogério Favreto, plantonista no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), de determinar a soltura o petista, foi proferida três vezes, mesmo contrariando decisões colegiadas do Supremo e do TRF-4, contra a liberdade do ex-presidente.

Foram mais de nove horas até o caso ter um desfecho na noite deste domingo, quando o presidente do TRF-4, Thompson Flores, determinou a continuidade da prisão do ex-presidente e que o processo retorne ao desembargador Gebran Neto.

No despacho, Flores também afirmou que o desembargador plantonista não tinha competência para liberar o ex-presidente e que não existia fato novo para outra decisão, além da que já proferida pelo desembargador relator.

O deputado Wadih Damous (PT), advogado e autor do pedido de liberdade de Lula, acusou Moro, Gebran Neto e Thompson Flores de estarem ‘esculhambando’ o poder judiciário, ao interferirem na decisão do desembargador Rogério Favreto.

Damous esteve com Lula neste domingo e ao sair, já com a decisão da permanência do ex-presidente preso, falou que o petista já sabia que não sairia da Polícia Federal.

O presidente estadual do PT, Dr. Rosinha, afirmou que o poder judiciário está desmoralizado após várias decisões que foram tomadas de forma medrosa.

Lula está preso desde a noite do dia 7 de abril, após ser condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex em Guarujá (SP). A pena do ex-presidente é de 12 anos e um mês de prisão.

Em nota, a defesa de Lula acusa Moro de atuar junto ao Ministério Público Federal (MPF) e que agiu estrategicamente, mesmo de férias, para impedir a soltura do ex-presidente.

Por fim, os advogados de defesa sustentaram que o petista sofre perseguição política e que sua prisão é incompatível com o Estado de Direito.

De Curitiba, Cristina Seciuk e William Bittar

Deixe uma mensagem