Foto: Divulgação

Eduardo Purkote Chiuratto, de 18 anos, foi preso na manhã desta quinta-feira (15), em um condomínio, em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba. O jovem é suspeito de participação na morte do jogador Daniel Corrêa Freitas, no dia 27 de outubro.

Eduardo é o sétimo suspeito a ser preso. O pedido foi expedido pela justiça na quarta-feira (14), por solicitação do delegado Amadeu Trevisan, responsável pelo caso. Além dele, Edison Brittes, Cristiana Brittes, Allana BrittesDavid Willian Vollero da Silva, Ygor King e Eduardo Henrique Ribeiro da Silva estão detidos.

Eduardo Purkote está na carceragem da delegacia de São José dos Pinhas e vai ser ouvido na segunda-feira (19), às 10h. O jovem tem um irmão gêmeo que também estava no dia da festa na casa da família Brittes.

Vários depoimentos apontaram a participação de Eduardo no crime. Ele teria quebrado o celular de Daniel Corrêa, arrombado a porta do quarto onde estavam Cristiana e o jogador, pego a faca da execução na cozinha e agredido o atleta dentro e fora da casa.

Investigação

Na manhã daquele sábado, 27 de outubro, Daniel foi encontrado morto em um matagal na zona rural de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana.

A Polícia Civil começou a investigar o caso e descobriu que o jogador saiu da casa noturna e seguiu para a casa de Allana, onde foi espancado pelo pai da aniversariante, Edison Brittes, de 38 anos.

De acordo com o próprio acusado, Daniel tentou estuprar Cristiana Brittes, esposa de Edison.

Edison Brittes foi preso cinco dias após a morte do atleta, junto com a filha. Um dia antes, Cristiana Brittes foi detida em um posto de combustível.

As prisões aconteceram após uma testemunha-chave, procurar pela polícia e contar o que aconteceu, pois, até então, Edison Brittes afirmava que Daniel saiu sozinho da residência, sem dizer para onde ia. Ele chegou a dizer isso para um amigo do jogador e para a própria família do atleta.

Após a prisão da família Brittes, a Polícia Civil identificou outros três jovens que teriam participado das agressões e da morte de Daniel. David Willian Vollero Silva, Ygor Kinge Eduardo Henrique da Silva, que também foram presos durante as investigações.

Para o delegado Amadeu Trevisan, a versão da tentativa de estupro, contada pela família Brittes, é mentirosa e não condiz com o que aconteceu.

Com informações de William Bittar, repórter Lucian Pichetti