Tenente-coronel foi morto com quase 20 tiros na cabeça / Foto: Divulgação

Foi preso o principal suspeito de executar o tenente-coronel da Polícia Militar Valdir Copetti, em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, no dia 29 de outubro. De acordo com a polícia, o homem, de 36 anos, era inquilino da vítima.

A prisão foi na segunda-feira (12) e divulgada nesta terça (13). A polícia chegou até o suspeito a partir de imagens das câmeras de segurança do aterro sanitário da cidade, que fica na zona rural, onde o corpo foi encontrado. O suspeito estava com uma espingarda calibre 12 que, segundo a perícia, foi usada no crime. A motivação da execução ainda é desconhecida.

De acordo com a Polícia Civil, o homem negou a participação no crime e indicou outro nome. É investigada ainda a participação de um terceiro suspeito.

Execução

O tenente-coronel da Polícia Militar Valdir Copetti foi executado a tiros. O corpo do oficial foi encontrado dentro de uma BMW, na área rural da cidade. Segundo a polícia, o veículo estava dentro da propriedade de Copetti, que saia de casa quando foi morto.

Ele teria recebido quase 20 tiros de calibres 12 e .40, todos na região da cabeça.

Condenação

Em 2009 o tenente-coronel foi condenado a mais de 18 anos de prisão e à perda do cargo por formação de quadrilha e tráfico internacional de armas. À época ele chegou inclusive a ser preso.

Cinco anos antes Copetti havia sido denunciado pelo Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR) por suspeita de formar milícias armadas para proteger fazendeiros contra invasões de terras e foi um dos ouvidos pela CPI do Tráfico de Armas, em 2005.

Repórter Lucian Pichetti