Um projeto de lei que pretende proibir a alimentação de pombos urbanos está em tramitação na Câmara Municipal de Curitiba. Em sua justificativa, o autor da proposta vereador Tito Zeglin (PDT) argumenta que os pombos domésticos são considerados pragas urbanas, que podem transmitir doenças ao homem e causar danos materiais a bens públicos ou privados.

Além de proibir a alimentação, o documento proíbe a manutenção de abrigos e a comercialização de alimentos para pombos nas vias e logradouros públicos.

Outra sanção prevista pelo projeto é a de que proprietários de imóveis com infestação de pombos deverão providenciar redes e outros meios que dificultem o pouso e a construção de ninhos.

Na matéria, Zeglin estabelece que o descumprimento sujeitará o infrator a uma advertência e multa no valor de R$200, aplicada em dobro após cada reincidência.

De acordo com a médica infectologista Marta Fragoso, os pombos podem causar diversas doenças que comprometem o sistema respiratório das pessoas. A médica alerta para algumas doenças que podem ser adquiridas especialmente pelo acúmulo de fezes desses animais.

Marta Fragoso destaca ainda que as doenças transmitidas pelos pombos podem se manifestar com maior facilidade em pessoas com a saúde fragilizada.

A CBN Curitiba buscou informações junto a Secretaria Municipal de Saúde sobre casos de doenças transmitidas por pombos e atendidas pela rede municipal de saúde. A resposta foi que não houve nenhum caso no último ano, de notificação de doença causada por pombos em Curitiba.

A proposta está na Procuradoria Jurídica do legislativo municipal e após passar pelas comissões temáticas será levada a plenário para votação. Caso aprovada, a proposta segue para sanção do executivo.

 — Repórter Vanessa Fernandes

Deixe uma mensagem