Foto: Divulgação/ALep

Em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (8), o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), deputado Ademar Traiano (PSDB), adiantou que os trabalhos do primeiro semestre legislativo serão encerrados nesta semana e que a proposta de reajuste dos servidores do Poder Executivo, encaminhada à Assembleia na semana passada, será discutida somente a partir de agosto. A retirada de pauta do projeto foi um pedido do líder do governo da casa deputado Hussein Bakri (PSD).

Os servidores em greve há duas semanas, reclamam um reajuste de 17% em função de quatro anos de congelamento de salários. Ainda segundo os funcionários públicos, o índice de reajuste se refere apenas à inflação do período.

O projeto enviado pelo governo para a Assembleia Legislativa, e retirado nesta segunda-feira, concedia 0,5% de reajuste em outubro, 1,5% em março de 2020, 1,5% a partir de janeiro de 2021 e 1,5% em janeiro de 2022.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Paraná (APP – Sindicato) Hermes Leão disse que a proposta como foi apresentada já havia sido rejeitada pelos servidores. Hermes Leão disse ainda que as categorias em greve aguardam por uma nova proposta do governo.

O líder do governo na Assembleia deputado Hussein Bakri disse que o governo não está sendo omisso e está discutindo a data base. O líder disse ainda não ter notícia de outro Estado que esteja discutindo data base. Bakri reiterou que o governo não tem condições financeiros de conceder 2% de reajuste aos servidores ainda em 2019, como foi solicitado.

Os servidores lotaram as galerias de visitantes da Assembleia Legislativa do Paraná, na expectativa de alguma nova informação sobre o reajuste.

Uma nova reunião para negociação entre servidores e governo está prevista para o fim da tarde desta segunda-feira.

Repórter Vanessa Fernandes