Foto: Divulgação/CMC

Um projeto de lei, que tramita na Câmara Municipal de Curitiba, autoriza a instalação de catracas eletrônicas e detectores de metais nos acessos a todos os estabelecimentos de ensino da rede pública municipal de Curitiba.

De acordo com o texto, qualquer pessoa que ingressar na escola estará sujeita à inspeção visual dos pertences quando identificada alguma irregularidade, ou autuado pelos responsáveis pela instituição.

O autor da proposta é o vereador Ezequias Barros (Patriota). Segundo o parlamentar, a ideia surgiu em função dos recentes ataques em escolas brasileiras, como o caso de Suzano, em São Paulo, no mês de março, quando dois ex-alunos de um colégio entraram nas dependências do estabelecimento, atiraram contra vários estudantes e funcionários, e depois cometeram suicídio.

O vereador explica que a ideia é fazer com que as catracas limitem a passagem apenas de alunos que estudam na escola. Ele diz que a experiência já funciona em estabelecimentos particulares da cidade.

A proposição não específica qual seria a fonte de custeio para a aplicação dos equipamentos. O vereador disse para reportagem da Rádio CBN Curitiba, que a iniciativa tem custo sim, mas que não é obrigatória ao município.

Mesmo diante dos investimentos financeiros, Ezequias Barros classifica o projeto como importante para segurança das crianças.

A proposta foi aprovada nesta semana na Comissão de Constituição e Justiça. Agora ela deve passar por outras comissões temáticas, antes de ir ao Plenário. Caso a medida seja aprovada pela Câmara e sancionada pelo prefeito, entrará em vigor em 180 dias após a data de sua publicação no Diário Oficial do Município.

Repórter Francielly Azevedo