Foto: Gaeco
Terrazza Panorâmico

Onze mandados de busca e apreensão foram cumpridos pela Promotoria de Antonina e pelo Gaeco na manhã desta terça-feira. A operação batizada como “Proclamador” apura possíveis fraudes em pelo menos três licitações da cidade.

Segundo a promotora responsável pela operação, Mariana Andreola, que conversou com a gente por telefone, há fortes indícios de que havia um direcionamento nos processos licitatórios para beneficiar empresas.

O nome da operação faz referência a um dos alvos que é ex-pregoeiro do município. Além dele, também estão sendo investigados o secretário de obras de Antonina, e os donos das empresas envolvidas.

As licitações em questão, são de roçada e limpeza da cidade, manutenção mecânica da frota e também de uma empresa, que tudo indica ser de faixada, e que prestava serviços para a Câmara de Vereadores e para a prefeitura. Ainda segundo a promotora, o endereço físico da empresa Gisele Regina da Luz ME, é inexistente. Ou seja, não há nada no local apontado como sede. Quem controlaria esta empresa seriam o ex-pregoeiro e o contador da Câmara Municipal.

Não há ainda mandados de prisão expedidos, mas o Ministério Público deve ouvir hoje seis pessoas suspeitas das fraudes.

Deixe uma mensagem