Foto: Reprodução/Facebook

Amigos e familiares de Ruhan Machado fizeram um novo protesto, na noite desta quarta-feira (24), no bairro Cajuru. O jovem foi morto pela Polícia Militar (PM) em um suposto confronto, na segunda-feira (22). A família afirma que ele foi executado.

A manifestação se concentrou entre a Rua Maurício Fruet e a Avenida Presidente Affonso Camargo. Objetos foram incendiados e a avenida, uma das mais movimentadas da região, chegou a ser bloqueada.

De acordo com a Polícia Militar (PM), ao final do protesto, por volta das 23h30, cinco pessoas atearam fogo em um ônibus da linha Vila Autódromo, que estava no cruzamento da Rua dos Ferroviários com a Trindade.

Ainda de acordo com a PM, após o ataque ao coletivo, os suspeitos entraram em um veículo Gol e foram abordados ainda na Rua da Trindade. Com eles foi encontrado o galão de combustível usado para o iniciar o incêndio.

O grupo foi encaminhado à Central de Flagrantes.

Segundo ônibus incendiado

Este não foi o único ônibus incendiado no bairro Cajuru. Em nota, o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) informou que outro coletivo da mesma linha foi depredado e sofreu uma tentativa de incêndio na noite de terça-feira (23), mas a polícia chegou a tempo e o dano foi parcial.

Nesta quarta, porém, o segundo ônibus foi totalmente consumido pelas chamas. Como consequência, a linha Vila Autódromo ficou interrompida por um breve período e opera normalmente nesta quinta.

No texto, o Setransp lamenta e condena os ataques, “que deixam a população desassistida de transporte e causam prejuízo ao sistema”.

O sindicato informou que já alertou a URBS sobre o problema e está em contato com os órgãos de segurança, pois, segundo a nota, “há rumores de que os ataques podem continuar”.

A Polícia Civil instaurou um inquérito para investigar a morte do jovem.

Repórter Lucian Pichetti