Foto: William Bittar | CBN Curitiba
Terrazza Panorâmico

Quatro pessoas foram presas, na manhã desta terça-feira (20), na Operação Rota 66 deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná. A ação investiga crimes ligados à concessão irregular de alvarás para uma construtora, em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba.

Foram detidos, com mandado de prisão temporária, o ex-secretário municipal de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente e o proprietário da construtora. Além deles, foram presos um servidor do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e o ex-prefeito de Campo Largo, Affonso Portugal Guimarães, por porte ilegal de armas e munições.

De acordo com as investigações, conduzidas pela 1ª Promotoria de Justiça de Campo Largo, os envolvidos são responsáveis por atos legislativos e pela emissão de alvarás de construção e licenças ambientais direcionados para beneficiar a empresa de construção civil, conforme explica o promotor Anastácio Fernandes Neto.

São apurados os crimes de corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, tráfico de influência e associação criminosa.

Também foram cumpridos 19 mandados de busca e apreensão nas cidades de Curitiba, Pinhais, Araucária, Campo Largo, Balsa Nova e São José dos Pinhais. As buscas foram feitas nas residências e escritórios do ex-secretário preso, do ex-prefeito, do ex-deputado estadual Alexandre Guimarães, filho de Affonso Portugal Guimarães, e de servidores públicos vinculados ao Instituto Ambiental do Paraná.

O promotor detalha qual era o papel do então prefeito no esquema.

A construtora é detentora e executora de quatro empreendimentos residenciais em Campo Largo, avaliados em R$ 400 milhões, além de outras obras na região metropolitana.

Os empreendimentos receberam nomes de localidades norte-americanas: Califórnia, Michigan, Oregon e Madison.

O promotor orienta que quem já fechou negócio ou está em negociação, procure o Ministério Público do Paraná.

Por meio de nota, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) informa que o órgão irá colaborar com as investigações, quando acionado, dentro da política de compliance adotada pelo atual governo.

Também, por meio de nota, o Governo informa que o assessor especial, Alexandre Guimarães, foi exonerado nesta terça-feira (20). A exoneração foi solicitada pelo ex-deputado estadual para que possa se dedicar à defesa na investigação realizada pelo Ministério Público do Paraná.

A reportagem procura os demais citados.

Repórter Francielly Azevedo