Foto: Reprodução/CMC

O reitor da Universidade Federal do Paraná, Ricardo Marcelo Fonseca, esteve na Câmara Municipal de Curitiba (CMC) durante a sessão desta terça-feira (14). Além de agradecer as duas moções de apoio à universidade pública brasileira, aprovadas nesta segunda-feira (13), ele reforçou as críticas ao bloqueio de 30% das verbas de custeio às instituições de ensino federais, anunciado pelo Ministério da Educação (MEC) no início deste mês.

Após o agradecimento, o reitor disse ser necessário esclarecer um ponto importante sobre o montante do corte no orçamento feito pelo governo federal. O reitor disse ainda que as redes sociais tem trazido “desinformação e fake news” sobre a questão.

Outro fator apontado por Ricardo Fonseca é o que se refere ao tamanho do orçamento da UFPR, segundo ele um grande orçamento, mas mais de 90% vai para a folha de pagamento de ativos e inativos.

Ricardo Fonseca disse ainda que nenhum reitor de universidades federais tem gestão dos valores disponibilizados. Segundo Fonseca, as verbas de custeio são destinadas exclusivamente à manutenção, às contas de energia, água e telefone, por exemplo, além de contratos de prestação de serviço, como para a vigilância dos campi e dos restaurantes universitários.

Nesta quinta-feira (15) estão programados diversos atos em Curitiba

Contra a proposta de reforma da previdência e contra os cortes nas políticas educacionais. A APP Sindicato está convocando os trabalhadores da Educação para ato que começa as 8h30 na Praça Santos Andrade. Já o Sinditest, que reúne trabalhadores em educação das instituições federais de ensino superior no Paraná, inicia manifestação às 8hs também na Praça Santos Andrade, além disso o Sinditest realiza manifestação também em Foz do Iguaçu no ginásio da Unila. Ex-estudantes da UFPR realizam ato às 8hs no pátio da reitoria.

Repórter Vanessa Fernandes