Foto: Marcos Solivan/UFPR
Terrazza Panorâmico

Após o bloqueio de mais de R$ 48 milhões no orçamento da Universidade Federal do Paraná, realizado pelo Governo Federal e que representa 30% das verbas destinadas ao custeio da instituição, o Reitor Ricardo Marcelo Fonseca utilizou as redes sociais para divulgar um apelo à comunidade da UFPR:

“Queridos (as) estudantes, docentes, técnicos da UFPR, estamos vivendo um momento gravíssimo nas universidades brasileiras e também na nossa UFPR, como todos já sabem. O corte de R$ 48 milhões no nosso orçamento que foi anunciado na semana passada – que acontece depois de sucessivos outros cortes nos últimos anos – nos estrangula e pode nos inviabilizar. E isso pode acontecer com todas as universidades federais brasileiras. Isso é grave, é dramático.

Existem muitos fronts diante dessa situação, mas um deles, importantíssimo, é o da comunicação. Precisamos mostrar – nas redes sociais, nos grupos de whatsapp, no estágio, na comunidade, na igreja ou onde for – aquilo que de maravilhoso fazemos em nossa instituição. A pesquisa que produzimos, a extensão onde intervimos, a inovação que fazemos. E o quanto fazemos a diferença quando disseminamos tudo isso nos nossos cursos de graduação e de pós-graduação. E fazendo tudo isso, a inclusão social revolucionária que promovemos. E a contribuição imensa que damos ao setor produtivo. As vidas que transformamos. A sociedade que fazemos melhor.

Sei que não somos uma instituição perfeita – mas nenhuma é, nem pública e nem privada. Existem sempre coisas a melhorar, rumos a ajustar, autocríticas a fazer. Mas agora é a hora de mostrar o que é positivo, bom e belo na Universidade pública, até porque suas qualidades excedem, e muito, os seus problemas. O Brasil seria muito, muito pior sem as universidades públicas. Sem inteligência, sem desenvolvimento, sem graça. E esse é o momento de demonstrar isso.

Estamos fazendo nossa parte: as redes sociais da UFPR estão agora replicando matérias de tudo o que fazemos dentro dos nossos muros, nossas pesquisas, nossa extensão, nossas iniciativas, nossos milagres cotidianos. Mas agora precisamos de todo mundo para multiplicar tudo isso, espalhar pra todos os lugares, sensibilizar os que ainda não sabem e dissolver os mal-entendidos.

É necessário entrar na batalha da comunicação. Isso agora é fundamental. Vejo agora correntes falsas e mistificadoras circulando sobre as universidades públicas, dizendo asneiras sobre os cortes orçamentos e sobre nossas atividades. Vejo também, com tristeza, que até alguns setores internos aproveitam o momento para nos expor e travar suas batalhas na hora errada. A batalha a ser travada agora só deve ser uma: a favor das universidades públicas brasileiras, a favor da UFPR.

Convoco nossa comunidade para essa batalha da comunicação. E também convoco cada ex-aluno que aqui teve sua formação ou que aprendeu sua profissão (sem pagar mensalidade e eventualmente até recebendo alguma bolsa), e que portanto sinta que a UFPR como também sua, para essa missão, agora mais urgente do que nunca: divulgue, promova e defenda esse patrimônio de todos nós e “alma mater” do povo paranaense: a Universidade Federal do Paraná.”

A Universidade também anunciou medidas para tentar minimizar os impactos que os cortes podem gerar nas atividades do segundo semestre na UFPR. Entre elas estão:

  • Avaliação de possíveis ajustes nos contratos vigentes da UFPR;
  • Articulação das universidades paranaenses junto à bancada parlamentar;
  • Comitê jurídico para avaliar os impactos e consequências das ações;
  • Comitê de comunicação para informar a comunidade interna e externa dos impactos das medidas e do papel das universidades públicas;
  • Ações que busquem apoio nas esferas municipais e estaduais; e
  • Ato em defesa das Universidades Federais em conjunto com as entidades representativas de professores, técnico-administrativos e estudantes da UFPR.