Foto: Agência Brasil
Terrazza Panorâmico

O Paraná deve produzir 23,3 milhões de toneladas de grãos da safra de verão 2019/2020. O volume representa um aumento de 18% em relação com a safra anterior. A estimativa é do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento.

Conforme o Deral, o aumento acontece graças a recuperação das produções de soja, feijão e milho.

A área de produção esperada é de aproximadamente seis milhões de hectares, com um pequeno aumento de área da soja em 30 mil hectares. O grão é responsável por 91% da área e 82% da produção total de verão.

No ano passado, a seca afetou significativamente a produção de soja no estado, que teve quebra de 17%, equivalentes a três milhões de toneladas. O economista do Deral, Marcelo Garrido, ressalta que o aumento deste ano depende das condições climáticas.

A saca de 60 kg da soja é comercializada em torno de R$ 71,00, preço 9% menor do que no ano passado. Mesmo com o preço mais baixo, de acordo com o Deral, a alta do dólar beneficia os produtores na venda, apesar de ser prejudicial para a compra de insumos. A longa guerra comercial entre China e Estados Unidos, que transferiu a demanda da China para a América do Sul, é vantajosa para o produtor brasileiro.

Com os problemas climáticos, os EUA registraram redução na produção neste ano, o que também aumentou a demanda do Brasil. O plantio de soja no Paraná está liberado a partir de 11 de setembro e estende-se até 31 de dezembro.

Em relação ao plantio de feijão, a expectativa de produção é de 309 mil toneladas, 25% maior do que no ano anterior. A saca de 60 kg do feijão cores é comercializada por R$126,00, e o feijão-preto por R$112,00.

Com mais de 90% da área colhida, a safra de milho está praticamente encerrada. A produção é de 13,4 milhões de toneladas, com produtividade recorde, acima de 6 mil quilos por hectare. A saca de 60 kg de milho é comercializada por R$27,00.

Repórter Francielly Azevedo com informações da AEN