Neste período de verão e viagens, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (SMS) alerta a população para atenção com a carteira de vacinação, principalmente em relação à vacina contra a febre amarela e dupla adulto (dT). Foto: Valdecir Galor/SMCS

Um jovem, de 21 anos, morador de Antonina, no Litoral do Paraná, é o primeiro infectado com febre amarela no estado desde 2015. O caso foi identificado no último sábado (26), quando técnicos do governo estadual foram ao litoral para organizar estratégias de enfrentamento da doença em Antonina.

De acordo com a prefeitura do município, o rapaz contraiu a doença em Guaraqueçaba, também no litoral paranaense, onde ele esteve nos últimos dias.

A administração municipal informou que já vacinou mais de 4 mil pessoas em Antonina desde que três macacos identificados com febre amarela morreram na cidade.

O jovem infectado está internado no Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá, com uma febre considerada leve e, segundo a Secretaria de Saúde do Paraná, passa bem.

A orientação da Sesa é que os moradores de Curitiba, região metropolitana e litoral que ainda não se vacinaram contra a febre amarela busquem a vacina nos postos de saúde. Devem tomar a vacina quem tem de 9 meses a 59 anos de idade.

Ainda nesta terça-feira (29), foi formado um Centro de Operações em Emergências em Saúde (Coes), que preparou um documento com o chamado fluxo de manejo clínico, para orientar os profissionais de saúde na identificação e tratamento da febre amarela.

A partir desta quinta-feira (31), até 5 de fevereiro, uma busca corpo a corpo estará em curso em toda a área suspeita de circulação do vírus – cidades do litoral e municípios próximos à divisa com o estado de São Paulo.

Vale lembrar que a doença não é transmitida diretamente de macacos para humanos. A transmissão ao ser humano ocorre quando um mosquito se infecta ao picar um animal com febre amarela e depois acaba picando uma pessoa.

Segundo a Sesa, não foram encontrados outros macacos mortos que são indicadores da presença da doença.

Vacinação

Desde o dia 21 de janeiro, a Prefeitura de Curitiba disponibiliza a vacinação nas 110 unidades básicas de saúde, de segunda à sexta-feira, de acordo com o horário de funcionamento da sala de vacinas de cada unidade.

Quem já tomou esta vacina uma vez na vida não precisa refazer. Se a pessoa não tomou a vacina ou se não tem certeza se tomou, a orientação é procurar a unidade de saúde mais próxima de casa e se imunizar.

Sintomas

Um alerta fica para os sintomas que podem indicar que a pessoa está infectada. Os sintomas são febre com início súbito em pessoas que nunca tomaram a vacina contra a febre amarela ou com vacinação há menos de 10 dias e que tenham estado em áreas de matas, rios ou áreas de circulação viral comprovada nos últimos 15 dias.

Essas condições devem estar associadas a outros dois ou mais sinais, como cefaléia, náusea, vômitos, dor articular, dor abdominal, dor lombar, icterícia ou hemorragias.

Repórter William Bittar