O impasse entre os servidores públicos estaduais em torno das negociações pelo reajuste salarial com o governo do Estado permanece.

Nesta terça-feira (9), mais de uma centena de servidores lotaram as duas galerias de visitantes na Assembleia Legislativa do Paraná. Houve momentos em que o clima ficou bastante tenso, a ponto do presidente do legislativo deputado Ademar Traiano encerrar a sessão. Os servidores tentaram invadir o plenário e logo os seguranças fecharam todas as portas de acesso.

Até as 15hs, duas reuniões já haviam sido realizadas entre representantes do governo e servidores sem que nenhuma proposta fosse efetivamente apresentada e aceita pelos funcionários públicos.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Hermes Leão disse que os servidores esperam que ainda nesta terça-feira o governo sinalize com alguma proposta.

Os deputados retomaram os trabalhos legislativos e encerraram a sessão desta terça-feira sob protestos dos servidores.

De acordo com o líder do governo na casa deputado Hussein Bakri o governo fez a proposta e os servidores uma contra proposta, mas segundo Bakri o governo não tem condições de fazer o pagamento de 2% de reajuste em outubro como foi solicitado.

Mesmo após o fim da sessão plenária desta terça-feira, os servidores que ocuparam as galerias permaneciam na Assembleia Legislativa com a promessa de que só sairão de lá, com alguma proposta do governo estadual.

De acordo com a APP Sindicato, 90% das 2143 escolas estaduais do Paraná aderiram a greve nestes 14 dias de paralisação.

Demais categorias como saúde e segurança pública que também estão mobilizados há duas semanas, participam da greve, mas não pararam os trabalhos.

Até o fechamento desta reportagem, ainda não havia um acordo entre o governo e servidores.

Repórter Vanessa Fernandes