Foto: Reprodução de arquivo/CUT

Centrais sindicais organizam uma mobilização na manhã desta sexta-feira (22), na Boca Maldita, em Curitiba, contra a “Reforma da Previdência”, proposta pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL), que começou a tramitar na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

O ato em Curitiba não é o único e faz parte do Dia Nacional de Luta em Defesa da Aposentadoria, em uma mobilização nacional.

De acordo com as centrais, a reforma significa “o fim da aposentadoria para milhões de brasileiros, restringindo o acesso e reduzindo o valor do benefício, sobretudo para as camadas mais pobres da população”.

A concentração teve início às 9 horas e os representantes das centrais distribuem panfletos e conversam com interessados sobre o que eles chamam de “retrocessos da reforma”.

Por volta das 11 horas, está prevista uma caminhada até o prédio do INSS, em frente à Praça Santos Andrade.

De acordo com a proposta, a idade mínima de aposentadoria para homens será de 65 anos de 62 anos para mulheres ao final de um período de transição de 12 anos.

Ainda de acordo com o governo federal, no ano passado, o rombo previdenciário total (setor privado, servidores públicos e militares) atingiu R$ 290,297 bilhões.

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a intenção inicial da equipe econômica é obter uma economia de R$ 1 trilhão em dez anos com a proposta de reforma da Previdência.

Na Câmara dos Deputados, a expectativa é que o projeto seja votado ainda no primeiro semestre.

Repórter William Bittar