Foto: Pixabay
Terrazza Panorâmico

Certa vez escutei de um profissional dentro da empresa que ele estava de ‘saco cheio’ das confraternizações de fim de ano. E que estava bastante convencido de que, naquele ano não participaria da ‘festa da firma’, por achar aquilo uma hipocrisia e ainda ter que destinar do seu tempo para participar de um ato que ele julgava extensão da sua atividade.

Infelizmente ele não está sozinho neste pensamento. Porém, quais os cuidados que essas pessoas devem ter ao tomar uma atitude como essa?