Foto: Pixabay

Sabe-se que o clima descontraído nas organizações ajuda e muito no clima organizacional, na realização de muitas atividades, contribuindo para dar leveza nos enfrentamentos do dia a dia.

Contudo até que ponto a intimidade dos colaboradores pode afetar o trabalho, surtindo efeito contrário? E quando a intimidade parte do chefe, ou do líder, qual a imagem que ele remete? Ainda, como se portar em grupos de mensagens instantâneas? Gírias, jargões? Se és líder muito cedo, qual o desafio e cuidados que se deve tomar?

Essas são dúvidas que rondam muitos profissionais, independentemente do ramo de atividade da companhia e da posição das pessoas dentro das empresas.

O ponto de partida para esta questão é buscar sempre a sensatez. Lembre-se que em uma corporação o motivo número zero pelo qual você está lá  é dar conta das atividades pela qual o profissional foi contratado. Você não foi escolhido, por exemplo, para fazer amigos. Se isso vier, ótimo. Senão, usar do bom relacionamento e respeito ao colega é o suficiente.

Outro exemplo que podemos citar é que a intimidade no ambiente de trabalho não pode extrapolar a ponto das pessoas se referirem a outras, em frente a um cliente, chamando o colega por um eventual apelido que tenha recebido dentro da equipe. Além de constrangedor, a atitude ao invés de soar descontraída, pode dar a entender que a estrutura empresarial é pouco séria e factível a resultados não satisfatórios.

Muito cuidado também com comentário que se fará com colegas ou repercutir o que outras pessoas vêm falar contigo no cafezinho ou no corredor. Lembre-se que você tem dois ouvidos e uma boca. Então fale menos e não dê ouvidos para quem faz fofocas. Se essa pessoa fala mal de alguém é provável que falará de você em alguma outra oportunidade. Se tiver que resolver algo estrutural ou de processo busque a sua chefia e o faça de maneira profissional.

Na condição de chefe, também evite a extrema intimidade com a sua equipe. Uma coisa é você ser cortês, educado e ou por ventura fazer comentários em público que visem valorizar as pessoas. Outra é você usar das características da pessoa para fazer uma piadinha gerando aquele sorriso amarelo. Isso é péssimo para a equipe e muito ruim para o gestor que perde autoridade e é respeitado apenas pelo cargo que exerce.

Tome cuidado também com conversas paralelas, em grupos de mensagens. Elas podem ser devastadoras. Evite usar grupos para tratar de assuntos que não sejam efetivamente com o propósito pelo qual ele foi criado.

E uma dica para os líderes de primeira viagem: se você é um novo líder e um líder relativamente novo é comum ter alguns vícios de linguagem e ou gírias. Cuidado! Esse tipo de vocabulário pode não ser adequado a estrutura e dependendo da empregabilidade desses termos o gestor pode transparecer imaturo e pouco preparado para a missão de liderança.

Vale sempre a máxima: menos é mais, respeito é tudo. Deixe a intimidade para praticar com quem realmente você a tem sem precisar fazer nenhum esforço.

Ouça a coluna na íntegra: