rachel-genofre
Foto: Acervo Pessoal
Terrazza Panorâmico

Em entrevista coletiva, na tarde desta quinta-feira (19), o secretário da Segurança Pública do Estado, Rômulo Marinho Soares, e equipe, anunciaram que houve a identificação de uma pessoa suspeita da morte da estudante Rachel Genofre.

Isto foi possível em função da integração da base de dados entre Paraná, São Paulo e Brasília. Segundo as investigações, o suspeito identificado é Carlos Eduardo dos Santos, que está preso em Sorocaba, no interior de São Paulo. Carlos Eduardo responde a vários crimes e inquéritos policiais, por estupro. Inclusive, com condenações em alguns deles, que totalizam uma pena de 22 anos.

O Delegado-Geral Adjunto da Polícia Civil, Riad Farhad, conta como o suspeito foi identificado, 11 anos após o crime.

A Polícia acredita ter 100% de certeza que o suspeito é o responsável pela morte da menina, que, na época, tinha 9 anos.

O Secretário da Segurança Pública, Rômulo Marinho Soares, reconhece que o trabalho integrado entre as polícias e o Ministério da Justiça pode ajudar na resolução de casos que estão parados há vários anos.

A remoção do preso para Curitiba será solicitada, já que o cruzamento do material genético coletado na época do crime com as amostras colhidas dele apontou resultado positivo (100%). Carlos Eduardo dos Santos é um dos 116 suspeitos investigados no caso, que teve repercussão nacional. 

Relembre o caso

Rachel Genofre foi encontrada morta em Curitiba, em 2008. O corpo estava dentro de uma mala, sob uma das escadas da Rodoferroviária da capital.

A menina não voltou para casa, depois da aula, no colégio em que estudava, o Instituto de Educação. A instituição fica na área central da cidade.

Segundo informações da Sesp, o suspeito identificado morava na mesma região. E fazia o mesmo trajeto de Rachel. Ele trabalhava como porteiro, em São José dos Pinhais.

Nesta sexta-feira (20), serão revelados novos detalhes sobre a identificação do suspeito. As informações serão divulgadas em uma entrevista coletiva, na sede do Instituto Médico Legal.

Repórter Marcelo Ricetti com informações de William Bittar