Foto: EBC

O Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgou um estudo em que considera abusivo o aumento da tarifa de água e esgoto da Sanepar

A Agência Reguladora do Paraná (Agepar), homologou, no dia 15, o aumento de 12,13%, solicitado pela Sanepar. 

Para o técnico do Dieese, Fabiano Camargo da Silva, quem recebe um salário mínio defasado vai sentir o impacto maior.

Segundo Fabiano, o reajuste só beneficia os acionistas.

Para o técnico do Dieese, a tarifa da água pode aumentar ainda mais ao longo do ano.

Comércio apreensivo

A Associação Comercial do Paraná (ACP) também se posicionou contrária ao aumento.

O presidente Glauco Geara publicou um manifesto nas redes sociais da organização.

No texto, ele demonstra preocupação com o reajuste e diz que o índice (12,13%) supera muito o da inflação oficial do país (IPCA), que foi de 4,3% – de maio de 2018 a abril de 2019.

De acordo com Geara, o aumento vai atingir também as empresas, que vão ter que elevar os preços finais de seus produtos.

O presidente da ACP pede a revisão ou o parcelamento do índice.

Assembleia O aumento na conta de água e esgoto foi discutido pelos parlamentares paranaenses na semana passada. Na manhã desta terça-feira (23), o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, e o presidente da Agepar, Omar Akel, participam de uma reunião com os deputados para prestar contas sobre o reajuste.

Repórter Lucian Pichetti