Foto: William Bittar

Com atraso de quarenta minutos, começou na manhã desta terça-feira (19) o segundo dia de audiências do caso envolvendo a morte do jogador Daniel Corrêa Freitas.

As primeiras testemunhas a serem ouvidas são sigilosas e que estavam na casa de Edison Brittes quando as agressões começaram.

Os sete réus estão em uma sala ao lado da audiência e com a porta entreaberta, onde consegue ouvir todos os depoimentos.

Na chegada ao Fórum, a mãe do jogador, Eliana Corrêa, falou sobre o filho e que não vai direcionar o depoimento aos acusados.

Foram reservados três dias para as audiências e 77 testemunhas de acusação e defesa arroladas no processo.

Somente após serem ouvidas é que os réus devem ser interrogados. Depois a juíza Luciani de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, vai decidir se eles vão, ou não, a júri popular.

Repórter William Bittar