Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Terrazza Panorâmico

Os três desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negaram, por unanimidade, um pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que fossem incluídas mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil no processo envolvendo o Sítio de Atibaia, onde Lula foi condenado, em primeira instância, a 12 anos e 11 meses, por corrupção e lavagem de dinheiro.

Os representantes de Lula solicitaram que as mensagens que se relacionassem direta ou indiretamente com Lula fossem anexadas aos autos para uso como prova compartilhada.

O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato na Corte, já havia negado o pedido no começo de setembro, informando que o aproveitamento das mensagens era impossível, pois elas teriam sido obtidas de maneira ilegal.

Na ocasião, a defesa solicitou que a votação deveria ser feita pela 8ª Turma, a qual é responsável pelos julgamentos da Operação Lava Jato na segunda instância.

Nesta quarta-feira (25), no entanto, os desembargadores seguiram o entendimento de Gebran Neto de que o material foi obtido sem a devida autorização judicial, o que torna o material imprestável como prova.

Da decisão da 8ª Turma sobre o agravo regimental ainda cabem embargos de declaração.

A CBN Curitiba procurou pelos advogados que representam o ex-presidente, mas até o final desta reportagem, não obteve retorno.

Repórter William Bittar