UEM é a 2ª no mundo com mais cientistas mulheres

UEM é a 2ª no mundo com mais cientistas mulheres
Foto: Science in HD/Unsplash/Reprodução

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) é a que tem mais cientistas mulheres no Brasil e a segunda do mundo, de acordo com levantamento feito pelo Centro de Estudos da Ciência e Tecnologia da Universidade de Leiden, na Holanda. O ranking leva em consideração artigos catalogados pela Web of Science, banco de dados que reúne pesquisas científicas do mundo todo.

A UEM se destacou na produção de artigos produzidos por mulheres em áreas como Física e Engenharia, fato que posicionou a universidade entre as mais produtivas do País em pesquisas na área. Segundo dados divulgados pela Organização de Estados Ibero-americanos, o Brasil é o país íbero-americano com maior porcentagem de artigos científicos assinados por mulheres como autoras principais ou como co-autoras.

Entre 2014 e 2017 o País publicou 53 mil artigos, 72% deles produzidos por mulheres. O superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Aldo Nelson Bona, ressaltou que as pesquisadoras são o motor de funcionamento das instituições e ajudam a destacar o Estado.

O reitor da UEM, Júlio César Damasceno, destacou que a produção acadêmica nas universidades estaduais tem crescido. Isso, conforme explica, é fruto do investimento em ensino, pesquisas científicas e das atividades desenvolvidas junto às comunidades.

As sete universidades estaduais do Paraná fecharam 2019 posicionadas entre as principais instituições de ensino superior em todas as avaliações educacionais nacionais e internacionais. A mais recente, o Índice Geral de Cursos, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, aponta as universidades estaduais de Londrina, de Maringá, de Ponta Grossa, do Centro-Oeste, do Oeste do Paraná e do Norte do Paraná entre as melhores do Brasil.

Repórter Lucian Pichetti