Foto: Divulgação/PMC
Terrazza Panorâmico

As nove Unidades de Pronto Atendimento (UPA) de Curitiba vão ser geridas por Organizações Sociais (OS). A ampliação do modelo foi aprovada, nesta quarta-feira (19), pelo Conselho Municipal de Saúde (CMS).

Foram 19 votos favoráveis, 8 contra e 1 abstenção. O CMS, composto por representes dos usuários, servidores e gestores, é o órgão de controle do Sistema Único de Saúde (SUS) e instância democrática para a tomada de decisão em relação ao sistema.

De acordo com presidente do Conselho Municipal de Saúde, Adilson Alves Tremura, o que o usuário quer é atendimento de qualidade.

Adilson deixa claro que o Conselho vai continuar fiscalizado as Unidades de Pronto Atendimento, para garantir o bom atendimento e combater casos de corrupção.

UPA CIC

Hoje apenas a UPA Cidade Industrial é gerida por uma OS. A unidade havia sido fechada em novembro de 2016 e, em agosto passado, foi reaberta sob a responsabilidade do Instituto Nacional Ciências da Saúde (INCS). A organização foi escolhida por processo seletivo. O mesmo deve ocorrer com as demais UPAs.

A organização gestora assume todas as funções da unidade.

De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, a economia mensal nos custos da UPA CIC é de R$ 408.651,00, em relação ao modelo tradicional.

O custo mensal é de R$ 1,6 milhão – 19,5% a menos –, e os serviços e a estrutura são os mesmos das demais unidades de mesmo porte.

Reforço

Com essa economia nas demais unidades, a prefeitura pretende aplicar os recursos na recomposição das equipes da atenção primária à saúde. Devem ser contratados 100 novos médicos, 42 enfermeiros e 133 auxiliares de enfermagem para os postos de saúde.

Repórter Lucian Pichetti