Foto: Arquivo/ANPr

Após a Justiça determinar que o reajuste das passagens de ônibus fique para fim de março, a Urbanização de Curitiba (Urbs) afirmou que vai recorrer da decisão.

“Certa da correção e legalidade das medidas tomadas em relação ao reajuste da tarifa de ônibus, a Urbs vai recorrer da decisão”, disse em nota.

A Urbs sustenta que o preço da passagem se manteve inalterado nos dois últimos anos e o reajuste aplicado foi menor do que a inflação (IPCA) no período – 5,8% contra 6,7%. A atualização do valor em Curitiba ficou, ainda, abaixo da média dos reajustes feitos nas cidades brasileiras, de 8,7%, apenas este ano, segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos.

De acordo com a administração municipal, o reajuste garante a “sustentabilidade financeira do sistema e a continuidade do processo de melhoria do transporte coletivo da capital, cuja frota vem sendo renovada nos dois últimos anos”.

Mesmo insatisfeita com a decisão, a Urbs disse que irá cumprir o determinado, portanto, a tarifa será mantida em R$ 4,25. Caso a Justiça acate o recurso do município, será informada a data de entrada em vigor do novo valor.

DECISÃO

O valor reajustado, de R$ 4,50 passaria a valer a partir da meia noite desta quarta-feira. No entanto, o juiz Thiago Flôres Carvalho, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, entendeu que os usuários precisariam de mais tempo para se planejar financeiramente.

Coma decisão, a passagem fica em R$ 4,25 até o dia 25 de março. De acordo com o texto do juiz na decisão: “O gasto com transporte, que é indispensável à mobilidade de significativa parcela da população, tem relevante impacto no orçamento do usuário, sobretudo daquele de baixa renda. Reflete, também, no empregador, que tem, por imposição legal, o dever de participar desse custeio”.

Repórteres Francielly Azevedo e Fábio Buchmann