Foto: URBS

Em entrevista à CBN, o prefeito Rafael Greca comentou a presença de Ogeni Pedro Maio Neto na Câmara Municipal. O presidente da URBS falou por mais de 3 horas aos vereadores nesta terça-feira.

Ele foi convidado para explicar a composição da chamada tarifa técnica, valor que a prefeitura repassa às empresas que atuam no setor.

O valor subiu de R$ 4,24 para R$ 4,71. Segundo Ogeny Pedro Maia Neto, matemáticos da Universidade Federal do Paraná (UFPR) foram contratados para auxiliar no estudo.

Ele argumentou que a projeção atual de passageiros, de 15 milhões de pagantes por mês é de 1 milhão a menos que o estimado no ano passado.

Ainda segundo o presidente da URBS, entram no cálculo encargos, custo com pessoal, amortização dos veículos, impostos, taxas, rentabilidade, peças, acessórios, e combustível.

Isto compõe o volume de despesas, que é divido pelo número de passageiros atendidos, resultando no preço final da tarifa técnica

Greca elogiou a explanação do presidente da URBS, alfinetou a oposição e disse que a manutenção das passagens de ônibus em R$ 4,25 depende de inúmeros fatores. Mas as tarifas serão mantidas, pelo menos até enquanto for possível disse Rafael Greca

Greca também falou sobre a conjuntura internacional. Citou a instabilidade nas principais regiões produtoras de petróleo

Tradicionalmente, as tarifas de ônibus são reajustadas nos meses de fevereiro em Curitiba. A prefeitura disse que tem trabalhado com as reservas disponíveis no Fundo de Urbanização de Curitiba para manter o atual preço das tarifas sociais.

Repórter Fábio Buchmann

Deixe seu comentário