Foto: Valdecir Galor/SMCS (arquivo)

A proposição recebeu 31 votos favoráveis e 2 contrários e volta à pauta nesta terça-feira.

A justificativa apresentada pela prefeitura para promover a alteração é de que, com a cobrança em separado, será possível incrementar a arrecadação do Município, já que milhares de imóveis isentos ou imunes do IPTU também não pagam a taxa de lixo na cidade. Quem explica é o líder do prefeito na Casa, vereador Pier Petruzziello (PTB).

Apesar disso, a prefeitura de Curitiba ainda precisará subsidiar a limpeza pública em aproximadamente R$ 84 milhões anuais por causa de inadimplentes.

Nesta segunda-feira (18), após a apresentação de emendas que pretendiam evitar aumento de gastos para a população de baixa renda, foi firmado um acordo de lideranças para garantir uma modificação ao projeto, em um texto conjunto, assinado pela oposição e pela base.

A alteração prevê taxa menor para os proprietários de imóveis com valor venal de até R$ 140 mil, que são imunes ao pagamento do imposto, mas que não ficarão isentos da cobrança pela coleta de resíduos.

Conforme informação da liderança do prefeito, cálculos da Secretaria Municipal de Finanças apontam que a taxa de lixo deverá ser fixada em R$ 275,40 para imóveis residenciais e R$ 471,60 aos não residenciais.

Repórter Cristina Seciuk

Deixe uma mensagem